Biofacsímile

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Biofacsímile

Postby azert » 08 Oct 2008 19:38

Ela era uma Bio-facsímile de terceira geração. A sua cobertura, de silicone texturizado de alta definição, tinha todas as ramificações de uma pele de ente humano; o seu sistema coordenador central era de uma complexidade assombrosa; os terminais sensitivos eram extremamente apurados; os aparelhos locomotores eram de alta performance e a sua capacidade expressiva era impressionante, para uma criação de existência simulada.
Quando ele a viu na montra do seu terminal de conexão global, soube que tinha de tê-la. Nuno Vaz era um artista e, portanto, tinha uma existência underground, sempre iludindo as Autoridades do Desempenho Economicamente Relevante, ludibriando os fiscais dos Registos de Contribuição Social, apenas tolerantes para com os contribuintes da Gama de Excepção, como os Representantes das Organizações de Gestão dos Assuntos Públicos.
Sob um designativo pessoal falso, Nuno inscreveu-se para uma transacção de compensação equitativa da Bio-facsímile por tranches, fornecendo, para o efeito, um Número de Ubicação de Rendimentos forjado por contactos da Resistência Anárquico-Subversiva.
Recebeu, através de uma Companhia de Transportes Independente - as únicas que não mantêm um registo de localização de clientes - a primeira entrega da sua aquisição: um par de olhos num invólucro resistente a culturas parasitárias.
Nuno colocou os olhos numa pequena plataforma de transporte que trazia pendurada ao pescoço. Os órgãos da Bio-facsímile, embora isolados do resto da assemblagem, cumpriam todos os requisitos para os quais haviam sido desenhados. Dispunham de um sistema de transmissão de dados para o coordenador central da biofax (diminutivo de Bio-facsímile), o qual registava todas as percepções visuais dos órgãos oculares.
Os olhos da Biofax testemunhavam todos os instantes da vida do seu detentor, desde os mais íntimos e insignificantes, até aos passíveis de severa repreensão por parte das Autoridades Democraticamente Consentidas. Embora soubesse que isso constituía um risco grave, no seu interior, Nuno estava convencido de que nada tinha a temer por parte da sua Biofax.
Passado algum tempo, Nuno recebeu a segunda entrega, desta feita um set de dedos. Dado não ser ainda possível proceder à assemblagem do conjunto da Biofax, também os dedos vinham no mesmo tipo de invólucro dos olhos e, por conseguinte, Nuno não podia ter um contacto directo com os mesmos. Estes, contudo, registavam todas as impressões tácteis a que eram expostos, enviando-as, igualmente, para o coordenador central da Biofax. Os dedos seguiam todos os movimentos de Nuno e, durante a noite, repousavam sobre o seu peito, enquanto dormia. Com intervalos de tempo seguros entre as entregas, Nuno foi recebendo as várias partes constituintes da sua Biofax: os pés, os joelhos, o pescoço, as ancas, os ombros, as orelhas, as coxas, os braços, o nariz, as pernas, o peito, a cabeça e, por fim, a boca.

No dia da última entrega, Nuno não conseguiu dormir. Passou a noite sentado no meio do chão do armazém que acumulava as funções de habitação e atelier, olhando atentamente cada uma das fracções da Biofax. A partir do momento em que finalizasse a assemblagem, tudo mudaria, e ele, simultaneamente temia e ansiava por esse instante.
Aos primeiros sinais de iluminação exterior artificialmente gerada, Nuno levantou-se e iniciou o processo de assemblagem que lhe ocupou o dia inteiro. À noite, a Biofax estava, pela primeira vez desde que tinha sido submetida aos testes performativos e, posteriormente, remetida para as prateleiras do depósito de facsímiles idênticos a ela, pronta para funcionar em pleno.
Após alguns instantes em que permaneceu imóvel frente à Biofax, contemplando-a, Nuno aproximou-se de Bia (como apelidara a Biofax), colocou a mão direita por trás do seu pescoço e puxou-a suavemente para si. Era um espécime impressionantemente bem conseguido. Nuno sentia a textura e a temperatura de Bia em cada dedo da sua mão direita. Olhou fundo nos seus olhos e nada neles traía a sua origem cibótica. Olhou o nariz, levemente inclinado – a facsímile continha algumas imperfeições, para torná-la mais verosímil – a boca… Nuno não se atreveu, ainda não.
Aproximou o seu corpo do dela, lenta e inexoravelmente, sentiu as formas dela encostadas a si, um batimento ritmado proveniente do peito dela, o movimento da caixa torácica. Bia inclinou levemente a cabeça e Nuno roçou-lhe o pescoço com os lábios. A mão direita de Nuno descera já do pescoço e dobrara-se em concha, adoptando a forma do seio de Bia. O mamilo dela reagiu. A mão de Nuno continuou a sua descida pelo ventre, pelas ancas, até às nádegas. No regresso, a mão emaranhou-se delicadamente nos pêlos púbicos dela. Nuno perguntava-se se verificaria mais alguma reacção no corpo de Bia.
A distância a que estava do corpo dela – uns escassos centímetros – era-lhe já insuportável. Passou os braços por baixo das axilas dela e, com as mãos sobre as omoplatas, puxou-a para si, até sentir que já não havia mais distância. O seu sexo, ao contrário da boca, ainda relutante, estava pronto e decidido. Nuno penetrou-a e pôde verificar que a semelhança com os humanos se estendia ao íntimo de Bia. No último momento, teve medo de ejacular no seu interior e retirou-se. Bia tinha estado passiva mas cooperante. Dir-se-ia, paciente.

Não foi necessário, à BioFax, nenhum período de adaptação ao seu detentor, já que o tinha vindo a conhecer por meio de informações fragmentadas que o seu coordenador central sistematizara, formando um todo coerente, flexível, adaptável e mais preciso do que a consciência que Nuno tinha de si próprio.
À medida que Nuno se foi familiarizando com a presença de Bia, a lembrança de que ela era uma Bio-facsímile foi-se esbatendo, até quase desaparecer. A boca de Nuno conhecia já todos os recantos da dela e a única coisa que distinguia a sua relação sexual com Bia da de uma mulher era que aquela se revelava cada vez mais plena. Aliás, toda a interacção com a Biofax se revelava satisfatória para além de todas as suas expectativas. Bia conhecia o trabalho de Nuno, compreendia-o melhor que ninguém, apoiava-o, assistia-o, criticava-o, inspirava-o, enriquecia-o. A nível pessoal, Bia supria todas as necessidades do seu possuidor.

Tinham decorrido cerca de dois meses desde o dia da assemblagem da Biofax, quando Nuno se apercebeu, de súbito, de que tinha deixado progressivamente de trabalhar e de que passava todo o seu tempo perto do corpo de Bia, numa distância cada vez mais ínfima, quase imperceptível. Nuno deu-se então conta de que se tinha vindo a instalar no seu íntimo um desconforto relativamente a Bia e, a partir daí, esforçou-se por descobrir a razão, aparentemente despropositada, desse sentimento.
Bia era tudo o que Nuno sempre sonhara e muito mais. Não havia nenhum aspecto da sua vida que não tivesse sido melhorado pela simples presença da Biofax, que adivinhava a sua mais insignificante necessidade, vontade ou simples capricho, ao ponto de já não restar nenhuma necessidade que não tivesse sido suprida, nenhuma vontade incumprida, nenhum capricho insatisfeito. Nada por preencher, satisfação total.
Com a desculpa de uma sobrecarga nos níveis de energia consumidos, Nuno explicou a Bia que teria de desmontá-la, temporariamente. Solícita como sempre, Bia assentiu. Nuno devolveu cada fracção da Bio-facsímile ao seu invólucro protector, revivendo as memórias que lhes estavam associadas. Com gratidão, mas sem pena, Nuno regressou à sua existência solitária, insatisfeita mas repleta de desejos.
Image Image

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Biofacsímile

Postby Pedro Farinha » 08 Oct 2008 20:17

Este texto é uma parábola muito interessante sobre a satisfação dos nossos desejos. Não faço a mínima ideia porquê mas fez-me lembrar um dos meus livros de Banda desenhada favoritos - A cidade que nunca existiu

[img]http://bilal.enki.free.fr/la_ville_qui_n_existait_pas/extraits/la_ville_qui_n_existait_pas_petit_1.jpg[/img]

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Biofacsímile

Postby azert » 08 Oct 2008 20:32

Fui pesquisar esse álbum na net. Pelo que consegui perceber, fala das perversões das utopias:
"Une ville de rêve, où les enfants sont rois, les femmes libres, les hommes égaux, heureux et sans souci. Où l'on vérifie une nouvelle fois que l'utopie comme l'enfer ont ceci de commun qu'ils sont tous deux pavés d'excellentes intentions."

Por acaso, não foi com essa intenção que escrevi o texto, embora reconheça como legítima essa (e outras) leitura.
Aquilo de que pretendia falar era da paradoxal proximidade/distância que pode haver entre pessoas que só se conhecem virtualmente.
Image Image

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Biofacsímile

Postby Pedro Farinha » 08 Oct 2008 20:40

Hummm Esse álbum fala de uma cidade governada por um déspota que morre e a herdeira constrói nessa cidade uma utopia. Os personagens principais, operários que sempre lutaram por essa utopia não conseguem mais viver na cidade e vão-se embora.

Quanto a essa questão virtual/real durante um tempo escrevia umas "Crónicas da net" bem oldies como tu dirias, e deixo-te aqui uma:

As solteironas da net

Elas vagueiam pelas ruas com as suas bolsas a tiracolo. Trazem os lábios fechados e as mãos nos bolsos. Vêem nas montras os vestidos que nunca vestirão, e sob um céu cinzento prosseguem a sua marcha.

Sentadas nos autocarros lêem as revistas da moda e é nas vidas dos outros que esquecem a sua própria ausência de vida. Abraçam os sobrinhos, com uma lágrima furtiva, lembrando os filhos que nunca nasceram. Têm falta de carinho, têm tanto para dar e não perdoam à vida, as horas que já passaram.

E é à noite em casa, cansadas das novelas, que nos seus grandes roupões se sentam frente ao écran. Sensibilizam-se com os mails feitos de slides e de lindas frases, e suspiram de alegria em declarações de amizade. Entram nos chats com sorrisos nos lábios, falam de tudo com todos e esquecem-se da realidade. Por vezes mentem na idade, por vezes escrevem poesia e aos seus lábios devotos afloram asteriscos.

O seu corpo desprezado sente a falta de um abraço e é por isso que passam tantas horas ao écran. Têm falta de tudo, têm tanto para dar e oferecem a amizade a cada nick que passa.

Vivem neste ilusão, agarradas a um outro mundo, com esperança de um dia conseguirem rimar a palavra virtual com a palavra real.

São as solteironas da net, amargadas pela vida que encontraram um outro mundo feito de bolas de sabão que tem tanto de beleza como se desfaz ao primeiro contacto. São as solteironas da net com direito à vida que procuram em cada instante, a esperança perdida. E quando à noite exaustas se entregam às almofadas levam sonhos com elas, para se aguentarem mais um dia.

Pedro Farinha - Maio 2002

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Biofacsímile

Postby azert » 08 Oct 2008 20:52

Pedro Farinha wrote:Quanto a essa questão virtual/real durante um tempo escrevia umas "Crónicas da net" bem oldies como tu dirias


E ainda estão disponíveis? :whistling:

Esta tua visão é outra das possíveis.
Image Image

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

Re: Biofacsímile

Postby Pedro Farinha » 08 Oct 2008 22:11

Sim, estão por aí algures, em sites, blogues e até num jornal O Progresso de Gondomar. Mas sinceramente, acho que escrevo melhor agora.

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Biofacsímile

Postby Samwise » 09 Oct 2008 10:53

Em relação a este conto, que considero de facto espantoso, as únicas picuinhices que tenho a apontar, e foi algo me lembro de ter referido na altura, têm a ver como nível de abstracção de certos pormenores.

Por exemplo, logo no início do texto:

"o seu sistema coordenador central era de uma complexidade assombrosa; os terminais sensitivos eram extremamente apurados; os aparelhos locomotores eram de alta performance e a sua capacidade expressiva era impressionante, para uma criação de existência simulada."

O que significa "complexidade assombrosa"? e "extremamente apurados"? e "capacidade expressiva impressionante"? o que permitem fazer "aparelhos locomotores de alta performance" (atingir os 100Km/H em 3.4 segundos?)

(assim à primeira vista, parece que estás a falar de um vulgar ser humano :mrgreen4nw:)

Aqui impunha-se um pouco da velha filosofia do "show", e vez de "tell". O que é que estas características todas conseguem fazer que seja considerado fora do normal?

Agora que já critiquei tudo o que tinha a criticar, volto a frisar: é um conto espantoso em tudo o resto. Onde termina o alcance do nosso desejo e começa o início da nossa apatia? Será o "paraíso" o fim da civilização?

E depois tem estes pormenores: "Autoridades do Desempenho Economicamente Relevante", e "Representantes das Organizações de Gestão dos Assuntos Públicos", que remetam para siglas utilizadas em obras como o "1984" e o "Brave New World"...

Sam
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
azert
Edição Única
Posts: 2705
Joined: 14 Sep 2007 12:30
Location: Braga
Contact:

Re: Biofacsímile

Postby azert » 09 Oct 2008 15:36

O meu objectivo ao escrever este texto, como disse mais acima, não tinha nada que ver com a criação de um mundo futurista, mas antes com a "presença" de alguém junto de outrém, por meio da net. Daí não ter considerado importante referir pormenores. :mrgreen4nw:
Image Image


Return to “azert”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 3 guests

cron