Opiniões ao Jornal Fantástico n.º 1/2

O nome diz tudo, certo?
User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14973
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Samwise » 16 Sep 2010 12:27

grayfox wrote:pco69, tu não tens qualquer capacidade de entrar em suspension of disbelief :D


Já é sabido que o pco é insensível as essas coisas... :twisted:
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -

User avatar
Gaminha
Edição Limitada
Posts: 1363
Joined: 10 Jun 2009 16:53
Location: Porto
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Gaminha » 16 Sep 2010 12:29

pco69 wrote:Ontem consegui ler o conto da Marcelina Gama.

Uma entrada muito boa, uma continuação interessante e um final... demasiado aberto. Ou seja, sendo apenas um conto e não algo que tenha continuação, a coisa fica demasiado idiota. :blink:

:o Idiota? Xiça, olha que esse é o meu primeiro conto de sempre, por isso nutro um sentimento muito forte pela personagem. Não levo isso de animo leve. :pissed:

Agora mais a serio. É sim para ficar em aberto, porque... pode ser para continuar. Acho que esse é simplesmente o primeiro capitulo de algo bem maior. E nesse caso acho que ficarias muito mais contente com o texto. ;) De qualquer maneira tem haver com aquilo que gosto de ler/escrever. Para mim, ou os contos são drasticos ou ficam com misterio, ou seja, gosto de matar as personagens ou deixar o resto ao gosto de cada um...

Spoiler! :
Que o assassino a iria apanhar , era uma forte possibilidade. Mas depois faz-lhe o quê? Limita-se a matá-la?

Só sabes que ela "fechou os olhos". Não é dito que morreu, pode ter desmaiado e ele pode ter levado para um sitio seguro, certo?

E, em termos de escrita de um conto, para que é que isso serve?

Esta é a parte que me preocupou. Então não "viste" nada no conto. Não achas que te traga nada, que descreva as personagens, que tenha uma historia?

E a que propósito é que não se usam armas?

ELA não usa armas. A patrulha sim.

Quer dizer, ela nem tem tempo de as usar, mas o kit de extermínio é composto de comprimidos suicidários apenas? A sua segurança é confiada exclusivamente aos outros membros da sua patrulha?

Os policias não a podem acompanhar senão "baralham-lhe" os sentidos. Mas tambem em casos "normais" ela não precisa porque ela "cheira" o perigo. ;)


De qualquer maneira, mesmo chamando o conto de IDIOTA :P obrigada pelo comentário. ;)

User avatar
pco69
Cópia & Cola
Posts: 5488
Joined: 29 Apr 2005 23:13
Location: Fernão Ferro
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby pco69 » 16 Sep 2010 13:38

Gaminha wrote:(...)
De qualquer maneira, mesmo chamando o conto de IDIOTA :P obrigada pelo comentário. ;)

Calma, calma, calma :devil:
Não chamei o conto de idiota.
Chamei o final de idiota :devil:
Mas só será idiota (única e exclusivamente na minha opinião, com todas as vantagens e desvantages dela :mrgreen: ) sendo um conto único.
Porque o que me ficou foi que seria uma excelente abertura de uma novela/livro.

Spoiler! :
A noção de sentidos desenvolvidos através de drogas ou outras coisas (cheiro e visão são os que nos são mostrados no conto), a noção de equipas multidisciplinares utilizando uma pessoa com olfacto desenvolvido como actualmente se usam os cães :) , o sexo desapaixonado da heroína, tudo isso contribuiu para um abrir de apetite, que ficou muito mau com um final tão tão aberto.

Seria/será? excelente se desenvolveres esse universo :bye:

Gaminha wrote:
Que o assassino a iria apanhar , era uma forte possibilidade. Mas depois faz-lhe o quê? Limita-se a matá-la?

Ponto 1) Só sabes que ela "fechou os olhos". Não é dito que morreu, pode ter desmaiado e ele pode ter levado para um sitio seguro, certo?

E, em termos de escrita de um conto, para que é que isso serve?

Ponto 2)Esta é a parte que me preocupou. Então não "viste" nada no conto. Não achas que te traga nada, que descreva as personagens, que tenha uma historia?


Ponto 1) Certo. Isso foi o que me fez pensar que este seria/será apenas o primeiro capitulo/prólogo de algo maior. :tu:

Ponto 2) O conto, como conto, está bom. As personagens (para um conto) estão bem desenvolvidas com bons elementos de caracterização, como por exemplo, o sexo desapaixonado dela ou o seu esquecimento do bipper e de algumas regras. E isso, vai contribuindo para a caracterização da personagem. :tu:
Mas como conto, repito, como conto, falha no final. :pipoca:
Fenómenos desencadeantes de enfarte do miocárdio

Esforços físicos, stress psíquico, digestão de alimentos, coito, tempo frio, vento de frente e esforços a princípio da manhã.

Ou seja, é extremamente perigoso fazer sexo ao ar livre com vento de frente, após ter tomado o pequeno almoço numa manhã de inverno...

User avatar
Gaminha
Edição Limitada
Posts: 1363
Joined: 10 Jun 2009 16:53
Location: Porto
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Gaminha » 16 Sep 2010 14:10

^_^ Tás perdoado. Obrigada pelo comentário.

User avatar
Gaminha
Edição Limitada
Posts: 1363
Joined: 10 Jun 2009 16:53
Location: Porto
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Gaminha » 16 Sep 2010 14:48

Ora aqui tá uma noticia surpreendente, o Jornal Conto Fantástico vendeu 15 exemplares só no via catarina (shopping) e esgotou. Mandarm vir os ultimos 3 exemplares que existiam em Coimbra. (Pode parecer uma ninharia, mas a verdade é que é um projecto pequeno, de uma editora pequena e sem nomes sonantes nas capas)

Parece que afinal o pessoal ainda está disponivel para gastar $ em FC e Fantasia, só é preciso vontade.

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Thanatos » 16 Sep 2010 18:40

Memo mental: não chamar idiota ao conto da Gaminha :rolleyes:
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Gaminha
Edição Limitada
Posts: 1363
Joined: 10 Jun 2009 16:53
Location: Porto
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Gaminha » 16 Sep 2010 21:01

Thanatos wrote:Memo mental: não chamar idiota ao conto da Gaminha :rolleyes:


:tu: É isso mesmo.

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Thanatos » 16 Sep 2010 21:27

Mas de todos os outros epítetos poderei lançar mão. :devil:
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Gaminha
Edição Limitada
Posts: 1363
Joined: 10 Jun 2009 16:53
Location: Porto
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Gaminha » 16 Sep 2010 22:10

Thanatos wrote:Mas de todos os outros epítetos poderei lançar mão. :devil:


Pronto, pronto, já estou como a outra. Mal ou bem o que importa é ouvir os vossos comentários. :angel:

User avatar
shadow_phoenix
Dicionário
Posts: 666
Joined: 04 Mar 2007 15:14
Location: Braga
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby shadow_phoenix » 18 Sep 2010 09:17

Já tenho o meu exemplar do jornal, mas ainda só li a entrevista a João Barreiros. Quando puder, começo a ler os contos. Depois digo qualquer coisa ;)

User avatar
pco69
Cópia & Cola
Posts: 5488
Joined: 29 Apr 2005 23:13
Location: Fernão Ferro
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby pco69 » 18 Sep 2010 21:44

A partir do blog da acrisalves, (http://acrisalves.wordpress.com/), cheguei a um blog com opiniões sobre o jornal.
http://florestadelivros.blogspot.com/20 ... co-12.html

Contem uma troca interessante de opiniões entre a bloguista (Ana C. Nunes) e o João Rogaciano, autor do primeiro conto. :bbde:
Fenómenos desencadeantes de enfarte do miocárdio

Esforços físicos, stress psíquico, digestão de alimentos, coito, tempo frio, vento de frente e esforços a princípio da manhã.

Ou seja, é extremamente perigoso fazer sexo ao ar livre com vento de frente, após ter tomado o pequeno almoço numa manhã de inverno...

User avatar
Anibunny
Edição Única
Posts: 2814
Joined: 10 Jun 2009 23:11
Location: Porto
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Anibunny » 18 Sep 2010 22:19

Para quem não tiver mais nada que fazer da vida, também escrevi algo no meu blog sobre a revista:

http://illusionarypleasure.blogspot.com ... zacao.html

na qual o João Rogaciano também comentou (infelizmente não li o conto dele)

User avatar
Sofiushka
Edição Limitada
Posts: 1048
Joined: 14 Dec 2007 22:58
Location: Porto
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby Sofiushka » 18 Sep 2010 22:41

Hoje lá me sentei bem confortável com um bolo e um suminho :angel: e comecei a ler a revista. Dos contos falta-me apenas ler os dois últimos, Cometas Extintos e Aleninan, e posso dizer que até agora fiquei deliciada (e não foi só por causa do bolo :twisted: ).

Gostei muito da rubrica Memórias..., que enche muito mais as medidas que os posts do respectivo blog. Gosto muito de conhecer a história, seja do que for, através das histórias das pessoas que a viveram, e ler um relato na primeira pessoa da época das fanzines "manuais" foi uma delícia.

Pelo que já li por aí, parece que afinal é mesmo preciso ser-se um Trekkie para apreciar o Mutação Final - porque eu sou, e eu achei-lhe imensa piada. É precisamente o tipo de embrulhada camp de que se lembraria de escrever o Gene Roddenberry, com a vantagem de ser um tipo de abordagem que resulta melhor em texto que na tv por não vermos a cara do protagonista, e assim a surpresa do desfecho está por conta da nossa imaginação. Engraçado também o paralelismo dos portugueses nos Descobrimentos e os portugueses no espaço. Só tenho uma minúscula picuinhice a apontar: o Jim não chamaria Leo ao McCoy, mas sim Bones :whistle:

Quanto ao Thalormis Zeta, parece-me uma boa prova da evolução em maturidade da escrita da autora. Sem dúzias de adjectivos, sem frases longuíssimas para igualmente longuíssimas descrições irrelevantes, sem forçar a "emoção" do leitor em relação à personagem. E, no fim, o resultado é um bom conto, que me agradou imenso ler.

O pequeno Space Oddity lê-se como uma companion piece à música do David Bowie. Não é difícil imaginá-lo como o guião para o videoclip. Embora uma coisa dessas possa parecer demasiado óbvia e ficar banal, este resultou muito bem.

E pronto, amanhã se deus quiser e ainda houver bolo, eu leio o resto e volto cá para opinar...

User avatar
shadow_phoenix
Dicionário
Posts: 666
Joined: 04 Mar 2007 15:14
Location: Braga
Contact:

Re: Jornal "Conto Fantástico"

Postby shadow_phoenix » 20 Sep 2010 11:10

Bem, já li a entrevista com o João Barreiros e a o conto da Regina.

A entrevista achei-a interessante, mas ainda acho que a visão da realidade do Sr. Barreiros é (muito) distorcida, algo que já eu tinha notado quando li o Fantascom, mas que a entrevista vem mais que confirmar. Também acho interessante o desprezo, que não se limita a ele, pela fantasia a menos que seja "cínica". Fica a dúvida se Barreiros subscreve a visão de que a verdadeira arte tem que ser escura e "angsty" ou o comentário dele é apenas uma mensagem anti-escapismo (ou as duas). Pessoalmente, não concordo com nenhuma delas. Também existem partes da entrevista em que parece que Barreiros teria beneficiado em seguir o seu próprio conselho ("sejam humildes").

Quanto ao conto da Regina, gostei bastante, em especial o final e o pequeno "nod" à eternidade das musicas de David Bowie.

Quando ler mais, digo qualquer coisa ;)

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Opiniões ao Jornal Fantástico n.º 1/2

Postby Thanatos » 26 Sep 2010 11:29

Terminado 'Thalormis Zeta' de Carla Ribeiro. A premissa do conto pareceu-me algo absurda. Sempre me pareceram incongruentes os contos em que se abandona o planeta por falta de condições de habitabilidade indo estabelecer colónias noutro planeta, neste caso Marte. Ou seja, será que o processo de terraformação ou de criação de colónias é assim tão mais fácil noutro planeta do que no nosso? E que tipo de gestão e estratégia é a do general antagonista que ao primeiro precalço desiste logo da ideia para voltar-se para aquela que seria a mais racional e económica? Isto já para não dizer que o general, mesmo sabendo do roubo ocorrido num laboratório dele parece sentir-se intrigado com o fim da colónia experimental. São estes pequenos/grandes buracos de argumento que tornam o conto menos interessante, na minha opinião, mais ainda quando são falhas que facilmente poderiam ser corrigidas.

Por outro lado achei que em termos de caracterização o conto corria a dois tempos. Cecília é uma personagem mais bem trabalhada e verosímil que Bruno, embora o seu destino final arecesse de maior elaboração. Aliás alguém que preze tanto assim a vida, incluindo a dos inimigos, escolheria aquele destino? Algumas cenas de Bruno deixaram-me a pensar que a autora tem pouco ou nenhum conhecimento dos reais métodos de interrogatórios, já para não falar do modo de vida em comuna de resistência armada. Seria plausível que um interrogador/torturador anunciasse ao cativo que 'Depois começo a fazer-te coisas cruéis.'? Assim, dito desta forma que mais parece que está a falar num jardim-de-infância? Ou que momentos mais tarde após a anuência do torturado em contar tudo se lhe apresentasse com o nome e o cargo como se nada se tivesse passado? Isto já passando de lado a necessidade da infodump dada pelo Bruno ao capturado como se falassem de coisas que o capturado não sabia já de antemão.

Já conhecia a escrita de Carla Ribeiro de outros contos e sempre a achei rebuscada e dada a longas figuras metafóricas e/ou alegóricas, uma escrita quase barrca no mau sentido. Apesar disso neste conto a sua escrita está mais contida mas ainda assim falta que a sua evidente capacidade para escrever seja condimentada por uma boa trama, pensada e racionalizada para superar as falhas de lógica que são por demais evidentes em textos deste tamanho. Com um pouco mais de edição poderíamos ter um razoável conto mas tal como está apresenta-se fraco.

A nível técnico encontrei várias falhas de edição que nalguns casos até tornavam o sentido das frases impenetrável como por exemplo na página 13 no primeiro parágrafo onde se lê: "(...) semi-obscuridade da vida subterrânea, adaptados, depois de mais de demasiado tempo na obscura sombra dos subterâneos (...)".
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!


Return to “Fanzines/Ezines”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 4 guests

cron