Page 1 of 2

Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 01 Jan 2012 20:42
by grayfox
O autor do mês de Janeiro é Don Delillo.

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 01 Jan 2012 20:56
by Sharky
A minha escolha à um mês atrás foi " White Noise " e já iniciei a leitura.

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 01 Jan 2012 22:45
by Bugman
Estou fora, regresso com o Mark Twain :whistle: ...

Picuinhice: "escolhi a a dois meses atrás" é incorrecto, logo deve-se escrever "escolhi há dois meses". :bye:

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 01 Jan 2012 23:19
by Bubbles
Ja tenho o Underworld em espera na biblioteca :D

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 09 Jan 2012 22:16
by Arsénio Mata
Comecei a ler Cosmopólis, finalmente. :mrgreen:

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 09 Jan 2012 22:59
by Pedro Farinha
O primeiro livro que li de Don DeLillo foi Submundo e fiquei rendido. É um livro marcante que retrata a história recente dos EUA através de personagens diversas, tendo como fio condutor uma bola de beisebol utilizada num home run mítico. A bola saltou para as bancadas e foi agarrada por um miúdo. Mais tarde, já com o valor de objeto-talismã foi passando de mãos em mãos e é através do percurso dessa bola que percorremos o livro.
Depois desse livro fiquei com vontade de ler tudo o que houvesse desse escritor e li, no ano passado: Ruído branco, O homem em queda, Ponto ómega, Cão em fuga, O corpo enquanto arte e Americana.
São livros diversos, uns de fácil leitura, outros mais densos, mas que têm em comum, para além da qualidade da escrita, a presença constante da cinematografia, quer na escrita, quer na temática e ainda uma visão crítica sobre os Estados Unidos.
Aproveitando ser o autor deste mês parece que o livro que mais vai ser lido, por aqui, é O ruído branco. Um livro que gostei bastante ainda que seja muito datado. Centra-se na forma como a televisão entrou nos lares e ofuscou tudo o resto. É um livro que tem muito que se lhe diga e que dá vontade de debater. A importância dada à imagem, seja o professor a entrar na sala de aulas, seja nos desastres e acidentes que apenas podem ser considerados catastróficos se abrirem os telejornais.
Foi uma boa escolha a do Arsénio. Trata-se de um autor que desde que o descobri entrou diretamente para o top.
- Estás a dizer-me que ficar fascinado pelas tragédias que aparecem na televisão é um fenómeno universal?
- Para a maior parte das pessoas, o mundo só tem dois sítios: o sítio onde elas vivem e a televisão. Se algo nela acontece, temos todo o direito de ficar fascinados. Seja lá o que for.
- Não sei se me sinta bem ou mal, sabendo que a minha experiência é assim tão amplamente partilhada.
- Sentes-te mal – disse ele.

Don DeLillo in O ruído branco

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 10 Jan 2012 11:17
by grayfox
eu estou a ler o White Noise do Don DeLillo, vou sensivelmente a meio.

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 10 Jan 2012 12:26
by Sharky
grayfox wrote:eu estou a ler o White Noise do Don DeLillo, vou sensivelmente a meio.


Já me passaste à frente, ora bolas ;)

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 10 Jan 2012 14:12
by pageHunter
Sharky wrote:
grayfox wrote:eu estou a ler o White Noise do Don DeLillo, vou sensivelmente a meio.


Já me passaste à frente, ora bolas ;)

Eu vou a 10% do livro. Até agora não me agarrou por aí além, mas tenho perspectivas de que melhore :tu:

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 10 Jan 2012 15:33
by Sharky
pageHunter wrote:Eu vou a 10% do livro. Até agora não me agarrou por aí além, mas tenho perspectivas de que melhore :tu:


A partir do capítulo 11 já começa a dar frutos, mas antes disso tens passagens bem originais. Acho que ainda vou comprar e ler o " Submundo " até porque tenho vales da Wook para gastar.
Há qualquer coisa na escrita dele que me cativa, daí estar a ler com calma em tom de apreciação B)

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 23 Jan 2012 22:13
by Arsénio Mata
Ainda estou a ler o Cosmopolis, muito devagarinho, para não variar. Os diálogos deste autor, embora completamente irrealistas, são os que mais gosto de ler.

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 24 Jan 2012 10:18
by pageHunter
Arsénio Mata wrote:Ainda estou a ler o Cosmopolis, muito devagarinho, para não variar. Os diálogos deste autor, embora completamente irrealistas, são os que mais gosto de ler.

Podes explicar melhor a parte do "irrealistas"?
Um dos pormenores característicos da escrita do autor em White Noise são os diálogos terem sempre um tema de maior dimensão do que a própria conversa como pano de fundo. Basicamente não existem conversas baratas, e tudo vai dar a grandes questões sobre a humanidade e afins. As conversas são interessantes de ler, mas dão um carácter artificial à intriga... Neste momento, estando a meio do livro, ainda não decidi se este pormenor abona ou não a favor do autor...

Arsénio, é deste irrealista que estavas a falar?

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 24 Jan 2012 21:27
by Arsénio Mata
É precisamente isso que falas page. Aquilo são conversas que ninguém tem. Não só ao nível das grandes questões que se escondem atrás dos diálogos, mas acima de tudo a forma como os diálogos se construem. Podes conversar sobre algo filosófico, politico, psicológico, etc, mas esse diálogo vai ter sempre uma estrutura lógica. Nos diálogos do DeLillo a maior parte das vezes um personagem diz uma coisa e o outro responde com algo que a príncipio parece ser uma resposta quase institiva mas distanciada do assunto em questão, mas que depois, com o decorrer do diálogo, se parece encaixar. Um pouco como o enredo do Underworld, onde todas aquelas personagens e sub-plots acabam por se encontrar de forma muito subtil.

O que eu quero dizer com isto é que muitas vezes dois personagens num diálogo falam de coisas diferentes mas ao mesmo tempo da mesma coisa. Não sei se concordam, mas é esta a minha leitura.

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 25 Jan 2012 11:46
by grayfox
eu concordo, acho o Murray, os seus diálogos e comportamentos particularmente ficticios.

Re: Janeiro 2012 / Don Delillo

Posted: 31 Jan 2012 20:56
by pageHunter
Está-se a acabar o mês de Janeiro e ainda pouca gente se manifestou sobre este autor <_<

Eu cá estou quase a terminar o White Noise. Ainda não posso avaliar o livro, porque seria injusto fazê-lo sem ler o final, mas já tenho parte da minha opinião formada sobre o autor. Não é um excepcional contador de histórias, há que admitir, nem criou neste livro personagens que valha a pena recordar. O melhor do que li do autor foram os (já referidos) diálogos, em que o autor, de forma por vezes pouco natural, é certo, explora ideias interessantes sobre as quais vale a pena pensar um pouco. Por exemplo, o medo da morte :)