11 de Setembro de 2001

Pedro Farinha
Edição Única
Posts: 3298
Joined: 03 Apr 2005 00:07
Contact:

11 de Setembro de 2001

Postby Pedro Farinha » 10 Sep 2006 15:32

11 de Setembro de 2001

Olho nos teus olhos marejados de lágrimas secas e escuto os ecos de uma explosão permanente. Para ti não morreram cinco mil pessoas, ninguém atacou a América e o mundo não está em guerra, mas sim, eles têm razão numa coisa, nunca nada mais será como dantes.

Para ti, que me olhas sem me veres, não há retaliação que te conforte e desesperas perante o desespero que tal acção possa causar em mais pessoas como aconteceu contigo. Para ti não há guerra, mas para ti não há paz também. Ele morreu. O homem que amavas e que te amava e pai do filho que trazes no ventre e que já é órfão antes de nascer, morreu.

Não, não morreram cinco mil pessoas, morreram apenas duas: Ele e tu. Ele que morreu calcinado pelo fogo ou pela queda de um monstro metálico e tu que morreste por ele ter morrido. E é essa morte em vida que vejo nos teus olhos que me olhem mas não me vêem. Mas olho para ti e digo-te: Não. Tu não morreste porque não tens esse direito porque dentro de ti existe uma vida que não conhecerá pai mas terá que conhecer a mãe e que terá que conhecer o pai através da mãe. E essa mãe tem de estar viva ainda que marcada pela dor ....

E os teus olhos mudos, abertos de horror, ouvem-me mas não fazes um sinal, nem de concordância, nem de discordância. E pensas nele, no homem que amavas, e ainda amas, e que admiravas pela sua luta incansável contra o racismo e pela tolerância. E pensas que com ele, morreste tu e morreu a tolerância. E não desculpas ninguém, não desculpas os criminosos que cometeram o atentado, não desculpas os criminosos que preparam novos atentados e não desculpas acções de retaliação que farão sofrer mais gente e que matarão ainda mais a tolerância e os valores que Ele defendia.

Eu estou parado na tua frente e queria fazer algo, estendo-te uma mão que não pegas e que recolhe envergonhada ao bolso das calças. Olho para a proeminência da tua barriga, antes inchada de orgulho e agora de horror. De repente olhas para mim e entreabres os lábios como se quisesses falar mas as palavras não te saem facilmente da boca. Os teus olhos voltam a chorar deixando dois rios na tua face coberta do pó que cobre essa ilha.

É então que me estendes a tua mão, que agarro docemente, e me dizes: É preciso retaliar. Percebo-te mas não concordo, não compreendo como e porque mudaste de opinião, mas nada digo. Penso em argumentos, penso que sim que é preciso acabar com o terrorismo, que é preciso acabar com quem faz dele arma política, quem o financia mas que nada disso se faz numa acção de retaliação deste tipo. Olho nos teus olhos que olham para mim e vejo que tens algo mais para me dizeres, e as palavras saem firmes na tua voz:
- É preciso retaliar, é preciso lutar e não baixar os braços, é preciso acabar com a guerra, com o crime, é preciso ensinar a tolerância, é preciso falar , é preciso dar as mãos, é precisa a poesia, é preciso o amor. É preciso combater a ignorância, é preciso respeitar os outros, é preciso não confundir indivíduos com nações, é preciso flores e velas acesas e dar apoio a quem sofre. É preciso criar um mundo melhor para o meu filho que vai nascer ...

E eu que já vi tanta coisa, tanta solidariedade, tantas preces, nunca tinha visto tamanha homenagem a um homem amado como fazer dos princípios dele, os nossos valores e abracei-te deixando as minhas lágrimas misturarem-se com as tuas e com as de todos os outros que sofrem para num rio infinito lavar a cara ao mundo e regar as flores que nascem nos recantos mais escondidos de cada nação.

Lisboa, 13 de Setembro de 2001

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13871
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: 11 de Setembro de 2001

Postby Thanatos » 10 Sep 2006 16:06

Tocante recordação duma data.

Diria quase perfeito na cadência com que as frases e as memórias se interlaçam no nosso consciente.
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

User avatar
Aignes
Enciclopédia
Posts: 858
Joined: 05 Jan 2006 23:59
Contact:

Re: 11 de Setembro de 2001

Postby Aignes » 12 Sep 2006 00:00

Acho que as emoções foram bem retratadas, assim como algumas contradições aparentes que acabam por fazer todo o sentido. Gostei :thumbsup:
«The force that through the green fuse drives the flower
Drives my green age; that blasts the roots of trees
Is my destroyer.
And I am dumb to tell the crooked rose
My youth is bent by the same wintry fever.»

User avatar
Samwise
Realizador
Posts: 14974
Joined: 29 Dec 2004 11:46
Location: Monument Valley
Contact:

Re: 11 de Setembro de 2001

Postby Samwise » 12 Sep 2006 09:45

Este texto tem uma coisa excelente, que é o interlaçar da tragédia colectiva no drama individual de que sofre uma ausência.

Não, não morreram cinco mil pessoas, morreram apenas duas: Ele e tu. Ele que morreu calcinado pelo fogo ou pela queda de um monstro metálico e tu que morreste por ele ter morrido. E é essa morte em vida que vejo nos teus olhos que me olhem mas não me vêem. Mas olho para ti e digo-te: Não. Tu não morreste porque não tens esse direito porque dentro de ti existe uma vida que não conhecerá pai mas terá que conhecer a mãe e que terá que conhecer o pai através da mãe. E essa mãe tem de estar viva ainda que marcada pela dor ....


O facto de relatar acontecimentos verídicos, e o facto de estar narrado na habitual prosa doce/trágica que marca a tua escrita, Pedro, acentuam ainda mais os gritos de desespero que nos povoam ainda o imagonário (a nós, que estamos aqui tão seguros, tão distantes, tão indiferentes).

Sam
Guido: "A felicidade consiste em conseguir dizer a verdade sem magoar ninguém." -

Nemo vir est qui mundum non reddat meliorem?

My taste is only personal, but it's all I have. - Roger Ebert

- Monturo Fotográfico - Câmara Subjectiva -


Return to “Pedro Farinha”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 2 guests

cron