Wanderer

User avatar
Thanatos
Edição Única
Posts: 13870
Joined: 31 Dec 2004 22:36
Contact:

Re: Wanderer

Postby Thanatos » 21 May 2006 11:25

Bem, diria que gostei de lê-lo mas sinto que lhe falta algum ritmo e tem versos que me deixaram algo :X como por exemplo:
The only thing I now want is a bath
, isto porque geralmente os ingleses não escrevem assim e acima de tudo porque não me soa nada "poético" dizer que se quer tomar banho. :D

Mas no fundo até entendi a mensagem e gostei. Apenas penso que deverias "dominar" mais ainda o inglês para te aventurares em poemas. :bye:
Não importa como, não importa quando, não importa onde, a culpa será sempre do T!

-- um membro qualquer do BBdE!

Ordie
Encadernado a Couro
Posts: 427
Joined: 29 May 2006 20:21
Location: Coimbra/Viseu
Contact:

Re: Wanderer

Postby Ordie » 03 Jun 2006 14:10

Sim, eu concordo com o Thanatos.

O teu poema está... interesessante. Como foi mencionado, não me atrevo a acusar tanto, sabendo que não dominas o inglês perfeitamente. Isso, dito, comento-te apenas na mensagem do poema: tens demasiadas abstracções e clichés. Inova. Mostra as coisas às pessoas em vez de lhes dizeres.

I was moved for reasons beyond my control
And now, after all this time,
I want to stop.
Vamos ser honestos. Quantas vezes é que já vimos a expressão "stng beyong my control"? É um cliché que não traz nada de novo ao poema em si. O resto também já foi demasiado usado. Agora, tenho que parar. Já li estas palavras ou palavras que transmitam a mesma mensagem centenas de vezes. Mostra-me algo de novo.

I´ve seen enough
Of this dream called life.
Cliché... dream called life. E também uma abstração. Na minha mente não se forma nenhuma imagem ao ler estes versos: mostra-me.
The books I´ve read, the scrolls I´ve unlocked,
Agora já falas de coisas mais concretas. Livros, pergaminhos. Que livros? Que pergaminhos? Especifica. Particulariza. Mostra-me os livros, descreve-me os pergaminhos. Não deixes que a minha mente permanece em branco, com apenas uns quantos vocábulos abstractos a flutuar após ler um dos teus poemas. Faz-me imaginar, e quando pensar num Viajante [Wanderer], faz com que eu me lembre do "Ah! Isto faz-me lembrar daquele poema da Erinamis no BBDE!".
Will be soon tossed into my deepest pit.
Cliché/Abstracção. Deepest pit é tão usado que já nem mete piada.

For I flew for so long...
Only to wish to place my feet on land again.
Cliché.

Show me no roads,
My footprints have already covered them all
Gosto da mensagem transmitida.
Hide the Moon for me
As her smile hurts me whenever I see Her.
Abstracção. "To hurt" é tão abstracto... Explica-me. Porque é que o sorriso te magoa? Talvez os lábios finos e aguçados te lembrem de lâminas. Talvez a potridão dos seus "dentes" te cause repugnância. Explica-me, não te limites a dizer-me. Dizer não deixa memórias. E já agora, quem é Ela, e porque é que Her está capitalizado?

The only thing I now want is a bath
Embora não concorde com o Tanathos de que isto não é poético, neste caso, de facto, não fica bem pela simples razão de que quebra com o ritmo/tema do poema. Não faz assim lá muito sentido. Sim, eu compreendo a intenção do uso: o viajante precisa de um banho. Mas tu praticamente não descreveste o viajante ao longo de todo o poema, portanto o conceito de "tomar um banho para aliviar a sujidade" cai assim um pouco em pano velho.
A hug from someone who cares...
Something that reminds me
That all roads lead to one place.
Clichés e abstracções. O último verso é tão cliché que até há um provérbio com ele, que de certo conheces "Todos os caminhos vão dar a Roma."

Para finalizar, tem cuidado com a pontuação. As últimas 3 estrofes, por exemplo, têm uma pontuação tão reduzida que é preciso uma leitura bastante inventiva para lhes tirar algum sentido.

Fica bem,

- Miguel
He who thinks greatly must<br />err greatly.


Return to “Erinamis”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 2 guests

cron