Dulce Maria Cardoso

Escolha um autor e fomente uma discussão sobre a sua obra e a sua vida
Xerazade
Manifesto
Posts: 57
Joined: 30 Mar 2007 17:06
Contact:

Dulce Maria Cardoso

Postby Xerazade » 19 Apr 2007 12:06

Para quem ainda não conhece aqui fica a menção a uma escritora portuguesa fabulosa. Na minha opinião um dos grandes nomes a reter na nossa literatura contemporânea.

<!--fonto:Book Antiqua--><span style="font-family:Book Antiqua"><!--/fonto-->O retrato das emoções, das frustrações, dos desafios, da VIDA.
<!--fontc-->[/color]<!--/fontc-->

Dulce Maria Cardoso nasceu em Trás- os - Montes, em 1964. Licenciou-se em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa, escreveu argumentos para cinema e também contos.

Depois de "Campo de Sangue" (com o qual ganhou o Prémio Acontece de Romance), Dulce Maria Cardoso editou "Os Meus Sentimentos". Um excelente livro, também com a chancela da Asa, que se passa nos minutos que demora a mulher que tem o "nome de uma flor que também é uma cor" a morrer, após um acidente de automóvel. Mórbido? Não!! Trata-se, na realidade, de uma história de vida.

É uma noite de temporal. A noite do acidente. Há uma gota de água suspensa num estilhaço de vidro que teima em não cair. Há um instante que se eterniza.

Reflectida na gota, Violeta mergulha nessa eternidade e recorda o que pode ter sido o último dia da sua vida, e nesse dia, toda a vida, e nessa vida, os pais, a filha, a criada, o bastardo, e em todos, a urgência da vida que prossegue indiferente como a estrada de onde ainda agora se despistou. Nessa posição instável, de cabeça para baixo, presa pelo cinto de segurança, parece que tudo se desamarra. O presente perde a opacidade com que o quotidiano o resguarda e Violeta afunda-se nos passados de que é feita, uma espiral alucinada de transparências e ecos.

Violeta vira uma esquina (ou será uma página?) e a revolução de Abril irrompe, empunhando a raiva do bastardo. Abre uma porta (talvez um parágrafo) da casa vazia e a mãe chama por ela enquanto o pai enlouquece lá fora, no quintal. Um homem afoga o desejo no corpo dela (vírgula, de certeza) e a menina dos patins desliza à frente da filha que perde a vida como caixa de hipermercado. A criada, como sempre, está calada (ponto final).

<!--fonto:Garamond--><span style="font-family:Garamond"><!--/fonto--><!--sizeo:3-->[size=100]<!--/sizeo-->Para onde foi o futuro?
<!--sizec-->[/color]<!--/sizec--><!--fontc-->[/color]<!--/fontc-->
<div align="center"><br /><!--fonto:Comic Sans MS--><span style="font-family:Comic Sans MS"><!--/fonto--><!--coloro:#483d8b--><span style="color:#483d8b"><!--/coloro--><!--sizeo:3--><span style="font-size:12pt;line-height:100%"><!--/sizeo--><!--coloro:#000080--><span style="color:#000080"><!--/coloro--><i>E chega um dia em que reconhecemos, finalmente, a injustiça das palavras... <!--sizeo:1--><span style="font-size:8pt;line-height:100%"><!--/sizeo-->(Alice Vieira)<br /><!--sizec--></span><!--/sizec--></i><!--colorc--></span><!--/colorc--><!--sizec--></span><!--/sizec--><!--colorc--></span><!--/colorc--><!--fontc--></span><!--/fontc--></div>

Xerazade
Manifesto
Posts: 57
Joined: 30 Mar 2007 17:06
Contact:

Re: Dulce Maria Cardoso

Postby Xerazade » 19 Apr 2007 12:15

Deixo-vos apenas um pequenino excerto absolutamente delicioso...:


Persigo os meus inimigos, milhões de inimigos em todo o lado, uma luta desigual, perdida, a partir de hoje vai tudo ser diferente, apesar de me sentir tão cansada, não deixo que me passe pela cabeça que, a partir de amanhã, nem uma diferença, uma única diferença, não posso aceitar um mar de dias iguais à minha frente, a minha vida a consumir-se na repetição dos dias, dos gestos, das palavras, o Ângelo

ninguém corrige o passado, ponto final

por que oiço o agoirento do Ângelo, faças o que fizeres não te livras de ti, do que foste, do que continuas a ser, faças o que fizeres...
<div align="center"><br /><!--fonto:Comic Sans MS--><span style="font-family:Comic Sans MS"><!--/fonto--><!--coloro:#483d8b--><span style="color:#483d8b"><!--/coloro--><!--sizeo:3--><span style="font-size:12pt;line-height:100%"><!--/sizeo--><!--coloro:#000080--><span style="color:#000080"><!--/coloro--><i>E chega um dia em que reconhecemos, finalmente, a injustiça das palavras... <!--sizeo:1--><span style="font-size:8pt;line-height:100%"><!--/sizeo-->(Alice Vieira)<br /><!--sizec--></span><!--/sizec--></i><!--colorc--></span><!--/colorc--><!--sizec--></span><!--/sizec--><!--colorc--></span><!--/colorc--><!--fontc--></span><!--/fontc--></div>


Return to “Autores”




  Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 0 guests

cron